Métodos de diagnósticos: Pulsação e palpação (Parte 3/3)

A palpação é um método de diagnóstico usado para detectar as condições patológicas através do tato e da pressão em certas áreas do corpo. Duas formas básicas de efetuar a palpação são a pulsação e o uso dos canais e meridianos.

A palpação é um método de diagnóstico usado para detectar as condições patológicas através do tato e da pressão em certas áreas do corpo.  Duas formas básicas de efetuar a palpação são a pulsação e o uso dos canais e meridianos.

Pulso

O local para palpar o pulso fica na parte da artéria radial do pulso. Podemos dividir em três regiões: Cun, Guan e Chi. A região oposta ao processo estiloide do radio é conhecido pelo nome de guan, após o processo estiloide é o cun e atrás do guan está o chi. As três regiões cun, guan e chi da mão esquerda refletem respectivamente as condições do coração, fígado e rim e a mão direita as condições do pulmão, baço e rim.

Ao palpar o pulso, o paciente deve por sua mão com a palma para cima sobre uma almofada. Primeiro devemos localizar guan com o dedo médio, logo depois, por naturalmente os dedos indicador e anular, para localizar cun e chi. A força dos dedos deve ser primeiro leve, em seguida moderada e por último forte, para obter uma ideia geral sobre a profundidade, frequência, ritmo, força e forma do pulso. Qualquer mudança anormal em qualquer região do pulso poderá ser determinada exercendo uma pressão uniforme nas três regiões e depois palpando as três regiões separadamente fazendo uma comparação com a finalidade de obter uma impressão correta do pulso como um todo.

A frequência normal do pulso é de 4-5 pulsações a cada respiração, o pulso deve ser rítmico e vigoroso.

maxresdefault

Os pulsos anormais que são mais frequentes e seu significado clínico são os seguintes:

  1. Pulso superficial – pulso que se percebe com uma ligeira pressão dos dedos, mas enfraquece ao aumentar a pressão. Este tipo de pulso se observa frequentemente no período inicial de síndromes superficiais, originadas por fatores patógenos exógenos. Vista também em pacientes que tem enfermidades crônicas e que se encontra em um estado geral de debilidade. Neste caso, porém, o pulso é mais frequentemente superficial e fraco.
  2. Pulso profundo – Pulso que só podemos perceber pressionando fortemente. Aparece em síndromes internas.
  3. Pulso lento – Pulso cuja frequência é menos que quatro vezes a cada respiração. Aparece geralmente em síndromes causadas pelo frio.
  4. Pulso rápido – Pulso cuja frequência é maior que cinco vezes a cada respiração. Aparece em geral em síndromes causadas pelo calor.
  5. Pulso fraco – Pulso fraco e sem força que desaparece ao aumentar a pressão, Se apresenta frequentemente em síndromes do tipo xu (deficiência).
  6. Pulso forte – Pulso forte que não desaparece ao aumentar a pressão. Pode ser observada em síndromes do tipo shi (excesso).
  7. Pulso corda – Pulso tenso e forte com se sente ao pressionar uma corda de arco/violão. Encontramos em enfermidades por insuficiência de yin e hiperatividade de yang do fígado.
  8. Pulso escorregadio – Pulso que se percebe com um deslizamento de pequenas bolas em um prato. Observado em casos de acúmulo de fleumas ou de indigestão. Também encontrado nas pessoas saudáveis e grávidas.
  9. Pulso filiforme – Pulso pequeno e quase imperceptível, que traz a sensação de um fio. Visto principalmente nas síndromes de xu (deficiência) e de qi e xue.
  10. Pulso curto – Pulso rápido com pausas irregulares. O pulso curto e forte é encontrado em síndromes de hiperatividade de calor, fleuma excessiva, estagnação de qi e xue e retenção de alimentos. Um pulso curto e fraco é sinal de colapso.
  11. Pulso áspero – Pulso lento e gradual com pausas irregulares. Indica frio endógeno ou retenção de frio-fleuma e estagnação de xue (sangre) no interior.
  12. Pulso intermitente – Pulso lento com pausas regulares. Observado em paciente com perda de qi e xue e debilidade de yangqi (qi do yang).

Os pulsos curto, áspero e intermitente são chamados também de pulsos de batimento perdido.

O pulso pode variar de acordo com fatore como a estrutura corporal, atividade, constituição geral do paciente e clima, os quais devem ser considerados ao realizar o diagnóstico.

Para poder distinguir corretamente os diferentes tipos de pulsos requer uma longa prática clínica. Se for palpado dois ou mais tipos de pulsos em um mesmo paciente, por exemplo, um pulso rápido e filiforme, o profundo e filiforme, ou filiforme e corda, devemos fazer uma analise do significado clínico da combinação dos pulsos considerando a situação geral do paciente.

AA023149

Palpação dos meridianos e seus pontos

A prática clínica demonstra que em algumas enfermidades podemos encontrar algum ponto doloroso ou outra reação anormal ao longo do trajeto dos meridianos ou em certos pontos. Por exemplo, se tratando de uma desordem dos pulmões podemos encontrar dor ao pressionar o ponto zhongfu (P1) ou um nódulo resistente no ponto feishu (B13), no caso do fígado, podemos localizar dor no ponto ganshu (B18) e qimen (F14), no caso de gastralgias podemos encontrar dor nos pontos weishu (B21) e zusanli (E36), enquanto que na apendicite a dor pode ocorrer no ponto lanwei (apêndice) (Extra). Estes sinais tem um grande significado para o diagnóstico através da palpação e especialmente para o tratamento por acupuntura.

A palpação abdominal é também um método importante. A distensão abdominal com uma nota timpânica como resposta a percussão e urina normal indica estagnação de qi. Se ao palpar a região abdominal sente-se distensão e tem a sensação de uma bolsa de água, provavelmente há acumulação de líquidos. Massas duras e imóveis na região abdominal podem ser sintomas de uma estagnação de sangue, caso as massas sejam móveis e suaves são sintomas de uma estagnação de qi. Caso o paciente tem um grupo de massas no abdome esquerdo e ao mesmo tempo constipação é possível que seja retenção de fezes secas. Uma dor que não pode ser tolerada na pressão no ventre direito é possível que seja apendicite provocada por estagnação de qi e xue.

Acupuntura mais moxabustão para herpes zoster: Uma revisão sistemática e meta-análise de ensaios clínicos randomizados

O herpes zoster é uma condição inflamatória aguda que pode ter um impacto significativo na qualidade de vida. As terapias antivirais são eficazes, mas não atendem às expectativas dos pacientes de alívio sintomático. Acupuntura e moxabustão têm sido utilizados para o herpes zoster. Esta revisão sistemática avaliou sua eficácia e segurança.

RESUMO

O herpes zoster é uma condição inflamatória aguda que pode ter um impacto significativo na qualidade de vida. As terapias antivirais são eficazes, mas não atendem às expectativas dos pacientes de alívio sintomático. Acupuntura e moxabustão têm sido utilizados para o herpes zoster. Esta revisão sistemática avaliou sua eficácia e segurança. Nove bases de dados em inglês e chinês foram pesquisadas a partir de suas injeções até março de 2016. Foram incluídos ensaios controlados randomizados que avaliaram a combinação de acupuntura mais moxabustão em herpes zoster adulto. Os resultados incluíram intensidade e duração da dor, qualidade de vida e eventos adversos. A meta-análise foi realizada utilizando o software RevMan (versão 5.3). Nove estudos (945 participantes) foram incluídos. A intensidade da dor (escala analógica visual) foi menor entre os que receberam acupuntura mais moxabustão em comparação com a farmacoterapia (um estudo, MD -8,25 mm, IC 95%: -12,36 a -4,14). O significado clínico deste resultado ainda não foi estabelecido. Alguns benefícios foram observados para outros efeitos dolorosos e cutâneos e melhora global dos sintomas. Foram notificados eventos adversos ligeiros nos grupos de intervenção. Acupuntura mais moxabustão pode melhorar a dor e os resultados cutâneos, embora a evidência atual seja limitada pelo número de estudos e deficiências metodológicas.

INTRODUÇÃO

O herpes zoster é o resultado da reativação do vírus varicela zoster, geralmente adquirido durante a infância (Dworkin et al., 2007). A fase aguda do herpes zoster é caracterizada por dor intensa e lesões unilaterais. 

São observadas três fases clínicas: fase prodrômica (ocorrência de dor antes da erupção das lesões); Fase aguda (vesículas se desenvolvem, postulam e crosta); E a fase de cicatrização (desaparecimento de crostas de lesões) (Volpi, Gross, Hercogova, & Johnson, 2005). As lesões são tipicamente limitadas a um dermatoma, aparecem em clusters e são acompanhadas por eritema (Dworkin et al., 2007; Gross et al., 2003).news_014

A idade é um fator de risco chave para o desenvolvimento de herpes zoster (Volpi et al., 2005), devido à diminuição da imunidade mediada por células específica do vírus varicella zoster com a idade avançada (Gershon et al., 2010). Outros fatores de risco incluem etnia caucasiana (Gershon et al., 2010), sexo feminino (Gershon et al., 2010), história familiar (Ansar, Farshchian, Ghasemzadeh, & Sobhan, 2014; Hicks et al. Heymann et al., 2008) e trauma mecânico (Gershon et al., 2010).

O tratamento com terapias antivirais é recomendado para pacientes com idade superior a 50 anos, pacientes imunocomprometidos e pacientes com zoster envolvendo mais de um dermátomo (Dworkin et al., 2007; Gross et al., 2003). As diretrizes de prática clínica recomendam terapias antivirais para acelerar o tempo de cicatrização (aciclovir, valaciclovir, famciclovir e brivudina) (Dworkin et al., 2007; Gross et al., 2003) e tratamentos de manejo da dor como paracetamol / acetaminofeno, analgésicos opióides e Antidepressivos tricíclicos e anticonvulsivantes para dor significativa (Dworkin et al., 2007, Volpi et al., 2005).

As terapias antivirais podem reduzir o tempo de cicatrização, porém uma revisão Cochrane recente (Chen et al., 2014) descobriu que não foram eficazes na redução da incidência de neuralgia pós-herpética (NPH), uma seqüela comum do herpes zoster. Gater et ai. (2014) avaliaram a satisfação do paciente com o tratamento para herpes zoster usando o Questionário de Satisfação do Tratamento para Medicação (TSQM, versão II). A satisfação do paciente foi maior no domínio dos “efeitos colaterais” e menor no domínio “efetividade” do TSQM.

A acupuntura mostrou ser um tratamento eficaz para alguns tipos de dor (Lee & Ernst, 2011) e várias condições de pele (Chen & Yu, 2003), e pode proporcionar benefícios durante o estágio agudo do herpes zóster (Ursini et al. , 2011). Moxabustão envolve a queima da erva Artemesia vulgaris L. perto da pele, geralmente perto de pontos de acupuntura. Uma revisão sistemática de moxabustão para a dor encontrada moxabustão reduziu a dor associada com osteoartrite e pode reduzir a dor em escleroma e herpes zoster (Lee, Choi, Kang, Lee, & Ernst, 2010). A acupuntura e a moxabustão são recomendadas nas diretrizes de prática clínica da medicina chinesa para o tratamento dos sintomas agudos do herpes zoster (Liu et al., 2013) e são freqüentemente usadas em combinação na prática clínica.

Herpes0

MÉTODO

Foram pesquisadas cinco bases de dados em inglês (PubMed, Embase, CINAHL, CENTRAL e AMED) e quatro bases de dados chinesas (CBM, CNKI, CQVIP, Wanfang Data) desde as iniciações até fevereiro de 2014, com uma busca de atualização em março de 2016. Os termos de pesquisa foram agrupados de acordo (Herpes zoster, zoster, vírus varicela zoster e variantes), intervenção (acupuntura, moxabustão e variantes) e desenho do estudo (randomizado, controlado, placebo e variantes).

Os estudos foram excluídos se a condição a ser tratada fosse NPH, complicações do herpes zoster (síndrome de Ramsay Hunt, zoster opthalmicus, zoster sine herpete, zoster visceral ou disseminado, infecções bacterianas) ou incluídos pacientes imunocomprometidos (por exemplo, HIV, câncer, diabetes ou amamentação).

Os resultados primários foram intensidade da dor, medida na escala analógica visual (VAS), pontuação de dor McGill, ou outras escalas de avaliação (por exemplo, escala de classificação verbal) e tempo para a resolução da dor.

Os resultados secundários incluíram medidas de cicatrização de lesão (tempo até à resolução da erupção cutânea, tempo até à cessação da nova formação de lesão, tempo até à formação da crosta); Qualidade de vida relacionada à saúde (QVRS), medida no Inventário Zoster Brief Pain, Initial Zoster Impact Questionnaire, ou outras medidas de qualidade de vida; Incidência de PHN; (TER), definida como uma melhoria da lesão em 30% ou mais, e uma redução significativa da dor, de acordo com uma diretriz chinesa (Administração Estatal de Medicina Tradicional Chinesa, 1994).

Características dos estudos, detalhes das intervenções e comparadores, resultados e resultados foram extraídos em uma planilha pré-definida. A avaliação da qualidade foi feita de forma independente por dois pesquisadores (KW, WZ), utilizando a ferramenta Cochrane Collaboration’s risk of bias. Se o desacordo foi visto nas avaliações, isso foi resolvido através de discussão com um terceiro pesquisador (MC). Os dados contínuos foram apresentados como diferença de média (MD) e os dados dicotômicos foram apresentados como razão de risco (RR), com intervalos de confiança de 95% (IC). Foi utilizado um modelo de efeitos aleatórios para todas as análises. A heterogeneidade estatística foi considerada presente quando p <0,10 no teste do Qui-quadrado quanto à heterogeneidade, ea estatística I 2 foi superior a 50%. A heterogeneidade estatística foi explorada através de análise de sensibilidade para estudos avaliados como baixo risco de viés para a geração de seqüências, e outra análise de subgrupos foi planejada de acordo com o tipo de comparação e uso de pontos de acupuntura local ou distal. Se 10 ou mais estudos foram incluídos em uma metanálise, planejamos explorar o viés de publicação através da inspeção visual dos gráficos em funil. Isto não foi possível, uma vez que nenhuma das metaanalises incluiu 10 estudos. O protocolo para esta revisão foi publicado no PROSPERO (registo n ° CRD42015029303).

Os tratamentos utilizados nos grupos de comparação incluíram tratamentos recomendados por guia, isoladamente ou em combinação com outros tratamentos. Dois estudos compararam a acupuntura mais a moxabustão com a terapia antiviral isolada (aciclovir) (Chen, 2012; Lin & Zhao, 2012), três estudos usaram terapia antiviral, como aciclovir (Bao, 2011) e valacylovir (Li, 2014) em combinação com vitaminas (B1, B12 ou derivados) (Bao, 2011; Li et al., 2014) ou vitaminas e compressas salinas (Li, 2011). Um estudo usou a droga antiviral moroxydine em combinação com o anticonvulsivante carbamazepina (Lu, 2004), e três estudos usaram drogas antivirais acyclovir (Yang, 2014) ou valacyclovir (Liu, 2010, Wang, 2011) com analgésicos gabapentina (Yang, 2014). ), Prednisona (Wang, 2011) ou carbamazepina (Liu, 2010) e outros tratamentos (Liu, 2010; Wang, 2011; Yang, 2014). Vitaminas B1 e B12 são comumente usados na China para ajudar a reparação do nervo.

Herpes2

DOR

Um estudo relatou os escores de dor VAS no final do tratamento e aos 60 dias (Li, 2011). A pontuação da dor no final do tratamento foi 8,25 mm menor naqueles que receberam acupuntura mais moxabustão em comparação com valaciclovir mais vitamina B1 e compressa salina, com diferença estatística significativa demonstrada (MD 28,25 mm; IC 95%: 212,36 a 24,14).

Dois estudos relataram tempo até a resolução da dor (Lin & Zhao, 2012; Wang, 2011). Um estudo não especificou o tempo a partir do qual a medida foi feita (Wang, 2011), e os dados foram excluídos deste resultado. O outro estudo relatou o tempo desde o início do tratamento até a resolução da dor (Lin & Zhao, 2012). A resolução da dor foi alcançada 6,59 dias antes nos participantes que receberam acupuntura mais moxabustão em comparação com o aciclovir oral e tópico (MD 26,59 dias, IC 95% 28,07 a 25,11). Deve notar-se que o aciclovir tópico não é eficaz para o herpes zoster e não é recomendado nas directrizes da prática clínica (Dworkin et al., 2007). Um estudo relatou o tempo de início da erupção para a resolução (Li, 2011). A resolução da erupção cutânea ocorreu 3,4 dias antes no grupo de acupuntura mais moxabustão do que no grupo de comparação (valacyclovir mais vitamina B1 e compressa salina, MD 23,4 dias, IC 95% 23,71 a 23,09).

A formação de crosta medida a partir do início da erupção ocorreu 1,42 dias antes naquelas que receberam acupuntura mais moxabustão em comparação com aquelas que receberam valaciclovir mais vitamina B1 e compressa salina (MD 21,42 dias; IC 95% 21,52 a 21,32). Quando medido desde o início do tratamento, o benefício também foi observado com acupuntura mais moxabustão comparado com o aciclovir oral e tópico (Lin & Zhao, 2010), com formação de crosta ocorrendo 1,64 dias antes (MD 21,64 dias; IC95% 22,87 a 20,41).

A acupuntura mais a moxabustão resultou em menor tempo para a cessação da nova formação de lesão em comparação com o valaciclovir, a vitamina B1 ea compressa salina quando medido a partir do início da erupção cutânea (MD 20,29 dias; IC 95% 20,35 a 20,23). Quando medido a partir do início do tratamento, a acupuntura e a moxabustão reduziram o tempo até a cessação de novas lesões em comparação com o aciclovir oral e tópico (DM 21,26 dias; IC95% 22,16 a 20,36) (Lin & Zhao, 2012).

A análise do subgrupo foi realizada de acordo com a definição do PHN (um / três meses após a resolução da erupção cutânea). A metanálise mostrou uma redução significativa na incidência de HPN (um mês após a resolução da erupção) naqueles que receberam acupuntura mais moxabustão em comparação à farmacoterapia (dois estudos, RR 0,29; IC 95% 0,16 a 0,53; I 2 5 0%) Li, 2011, Lin & Zhao, 2012).

Herpes_zoster_child91

DISCUSSÃO

A patogênese da dor aguda no herpes zoster é a resposta inflamatória e necrose do nervo sensitivo infectado com varicela zoster (Dworkin et al., 2007). A acupuntura e a moxabustão são importantes terapias analgésicas na fase aguda do herpes zoster (Liu et al., 2013). O efeito analgésico da acupuntura tem sido bem investigado. A acupuntura promoveu o envolvimento endócrino cortical através da evocação de opiáceos endógenos, como a b-endorfina, encefalina, dinorfina e endomorfina (Lin & Chen, 2008). Outras pesquisas sugerem que a acupuntura pode produzir efeitos anti-inflamatórios através do sistema nervoso autônomo (ANS) em modelos animais (Sekido, Ishimaru, & Sakita, 2003). O mecanismo do efeito anti-nocicepção da eletroacupuntura ainda não é claro. Estudos com animais recentes mostraram que a eletroacupuntura pode aliviar a inflamação por supressão de certas vias moleculares, proteicas e de mRNA relacionadas com a dor (Du, Fang, Liang, & Fang, 2014, Liang, Fang, Du & Fang , 2012).

A obtenção de analgesia adequada é um dos principais objetivos do manejo farmacológico (Dworkin et al., 2007). As orientações recentes recomendam o tratamento analgésico seguindo a escala de dor da OMS (Werner et al., 2017). A titulação pode ser considerada se a analgesia não for atingida (Dworkin et al., 2007), ou a analgesia básica pode ser suplementada com antidepressivos tricíclicos ou anticonvulsivantes (Werner et al., 2017). Assim, a prática clínica utiliza uma abordagem individualizada para o tratamento da dor. Como doses padrão de medicamentos para a gestão da dor foram utilizados nos estudos incluídos, é possível que os resultados não sejam directamente traduzíveis para a prática clínica. Dois estudos utilizaram o anticonvulsivante carbamazepina como terapia analgésica para o tratamento da dor aguda do zoster (0,1 g por dia) (Liu, 2010; Lu, 2004).

Fonte: Dermatologic Therapy Journal

Link do Artigo:

Acupuncture plus moxibustion for herpes zoster: A systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials

INSOLAÇÃO – Tratamento com Acupuntura

Insolação é o mal-estar causado pela ação direta e prolongada do sol, do calor e em clima seco em uma pessoa. Pode ocorrer quando passa muito tempo em um ambiente com sol, se está trabalhando em locais com alta temperatura ou se exercitando em excesso.

Insolação é o mal-estar causado pela ação direta e prolongada do sol, do calor e em clima seco em uma pessoa. Pode ocorrer quando passa muito tempo em um ambiente com sol, se está trabalhando em locais com alta temperatura ou se exercitando em excesso. Durante a insolação a temperatura do organismo sobe, o que pode causar a perda de água e de nutrientes importantes. Tanto que o quadro de insolação é considerado emergencial pois pode acontecer desidratação, queimaduras ou dano cerebral. O risco maior é em idosos e crianças, devido a maior dificuldade de efetuar mudanças de temperatura.

Na Acupuntura

Esta enfermidade ocorre pela invasão de calor de verão que é prejudicial ao qi e ao yin sob condições de fadiga excessiva ou de trabalho prolongado sob o sol ardente.

Há dois tipos

  1. Tipo leve – Cefaleia, suor excessivo, pele quente, respiração profunda, secura na boca e língua, sede, pulso superficial, forte e rápido.
  2. Tipo grave – No começo aparece a cefaleia, sede, respiração rápida e superficial e depois, colapso súbito, coma, suor, pulso profundo e fraco.

AcupunctureTratamento com Acupuntura

  • Tipo leve

É necessário eliminar o calor com o método dispersar nos pontos selecionados dos canais Du, jueyin (Pericárdio) e yangming (IG)

Como exemplo de pontos temos: Dazhui (Du14), daling (PC7), weizhong (B40), hegu (IG4), quchi (IG11), jinjin, yuye (extra).

Agora falando um pouco do porque do uso desses pontos. Dazhui (Du14) elimina o calor. Dailiing (PC7) reduz o fogo do coração. Sangra no ponto weizhong (B40) para dispersar o calor de verão. Hegu (IG4) e quchi (IG11) são dois pontos principais usados como antifebril. Sangrar nos pontos jinjin, yuye (Extra) podem aliviar a secura na boca e língua.

  • Tipo grave

É necessário reduzir o calor e recuperar a consciência com o método dispersante nos pontos do canal Du e nos pontos jing.

Como exemplo de pontos temos: Renzhong (Du26), baihui (Du20), weizhong (B40), shixuan (Extra).

Agora falando um pouco do porque do uso desses pontos. Renzhong (Du26) e baihui (Du20) animam, restabelecem e clareiam a mente. Weizhong (B40) e shixuan (Extra) reduzem o calor e o mormaço do verão.

Insolação02

Agora muito importante, existem duas síndromes que ocorrem na insolação as duas podem levar ao desmaio ou perda de consciência, porém é importante saber diferenciar  as duas, só assim pode ser feito o tratamento com clareza e efetuar o procedimento de acupuntura emergencial.

Síndrome tensa

Olhos abertos, dentes cerrados, mãos cerradas, sem suor, disúria e constipação, pulso escorregadio, forte e em corda.

Quando ela ocorre devemos promover o restabelecimento aplicando o método dispersante nos pontos do canal Du e nos pontos jing.

Os pontos que podemos usar são: Renzhong (Du26), baihui (du20), os pontos jing das mãos (P11, C9, PC9, IG1, SJ1, ID1), yongquan (R1)

Como causa da síndrome ocorrem sinais e sintomas durante a crise, podemos também aplicar pontos segundo esses sinais, nem sempre aparecem todos os sinas.
Com dentes cerrados: jiache (E6), xiaguan (E7), hegu (IG4)
Ruídos de fleuma: tiantu (Ren22), fenglong (E40)
Afasia e rigidez da língua: yamen (Du15), lianquan (Ren23), tongli (C5)

Cada ponto tem seu objetivo especifico, Renzhong (Du26) e baihui (Du20) regulam o qi do canal Du e promovem o restabelecimento. Sangrar os 12 pontos jing de ambas as mãos pode eliminar o calor da parte superior do corpo a fim de dispersar o vento endógeno. Yongquan (R 1) conduz o calor para baixo. Este é o método usado para selecionar pontos da parte inferior do corpo para tratar a parte superior.
Depois que passa a crise podemos selecionar os pontos de acordo com os sintomas, tais como jiache (E6), xiaguan (E7) e hegu (IG4) para o caso dos dentes cerrados. Este método é uma combinação de pontos distais e locais de acordo com o trajeto dos meridianos, porque o canal do intestino grosso e o canal do estomago passam pela bochecha. Tiantu (Ren22) e fenglong (E40) removem a estagnação de qi e dispersam a expectoração. Yamen (Du15) e lianquan (Ren23) são pontos locais e vizinhos da língua. Tongli (C5), é ponto Luo (link, conexão) do canal do coração, pode aliviar a rigidez da língua porque a função da língua está relacionada com o coração.

Síndrome Flácida

Olhos cerrados, boca aberta, mãos relaxadas, suor excessivo, incontinência de fezes e urina, pulso fraco.

Quando for do tipo flácida a Acupuntura é usada para recuperar o yang e controlar o colapso, aconselhável fazer moxabustão nos pontos do meridiano Ren.

Os pontos que podemos usar são: Qihai (Ren6), guanyuan (Ren4), shenjue (Ren8).

Os objetivos destes três pontos são importantes e principais em casos de emergência para recuperar a função vital. A moxabustão indireta e continua com sal pode aliviar os sintomas.

Quando não se sabe exatamente qual o tipo de síndrome se é tensa ou flácida, não se deve usar o método de sangria nos 12 pontos jing da mão, mas pode fazer acupuntura no ponto Renzhong (Du 26) para recuperar a consciência e logo depois Zusanli (E 36) para ajustar novamente a função vital.

Métodos de diagnóstico Ausculta, dor, pergunta (parte 2/3)

Na Medicina Chinesa existem métodos muito importantes de diagnóstico, alguns muito parecidos com a alopatia e outro que não são praticados por aqui. Veja como a Medicina Milenar faz os diagnósticos de patologia e suas principais síndromes.

Olá, dando continuidade ao tema, sobre os principais métodos usados na Medicina Tradicional Chinesa, vamos para a segunda parte, não é pouca coisa por isso decidi dividi-lo em três partes, para que não ficasse aquele post imenso e cheio de informação, isso acaba tirando a atenção e até mesmo cansando as vistas. Caso não tenha visto ainda a primeira parte, pode procurar porque está bem interessante e é bom para que você não se perca. Qualquer dúvida pode entrar em contato por e-mail ou através das redes sociais.

AuscultationAUSCULTAÇÃO E OLFAÇÃO

Auscultação

  • A fala – Geralmente a voz baixa e fraca indica síndrome de tipo xu, já a voz alta indica síndrome de tipo shi. O delírio significa nebulosidade do coração por fleuma-calor. Quando há murmúrio consigo mesmo ou a fala prolixa significam desordem da mente. Dificuldade em falar pode ser obstrução dos meridianos e colaterais por vento-fleuma.
  • A respiração – A respiração fraca acompanhada por transpiração e dispneia depois de um esforço rápido geralmente indica debilidade de qi do coração e dos pulmões. A respiração ruidosa acompanhada por asma e fleumas indica síndromes de fleuma-calor ou fleuma-umidade nos pulmões e pertence ao tipo shi.
  • A tosse – A tosse com ronco indica que houve invasão nos pulmões pelo vento-frio ou houve acumulação de frio-fleuma nos pulmões, uma tosse com voz clara e forte indica a invasão nos pulmões pelo vento-calor. Uma tosse seca com pouco expectoração é causa frequente quando os pulmões foram invadidos pela secura patógena ou xu (deficiência) prolongada de yin do pulmão.

Olfação

Se trata de sentir o cheio dos diversos tipos de secreções e excreções corporais. O odor fétido denota síndromes de calor do tipo shi, por outro lado o odor insípido pode nos trazer síndromes de frio do tipo xu. Por exemplo:

  • A expectoração(secreção nasal) com cheiro nauseante indica fleuma-calor nos pulmões, enquanto a expectoração diluída, clara e inodora indica fleuma-frio nos pulmões.
  • A urina amarela escura e escassa com cheiro nauseante indica umidade-calor na bexiga, enquanto a urina clara e profusa inodora indica frio na bexiga e pertence ao tipo xu.
  • O hálito fétido indica calor no estômago.

doctor-question-markPERGUNTAS (Interrogatório)

O interrogatório significa perguntar ao paciente ou acompanhante sobre a enfermidade com o propósito de conhecer o processo patológico.
Antes de tudo, temos que escutar a queixa principal do paciente, geralmente é a dor que ele sente no momento e lembrando que dor é um sinal/sintoma, e perguntando sobre o tempo de início e a duração da enfermidade e sua história passada. Baseado nesse principio faz-se uma interrogação sistemática do ponto de vista que o corpo humano é um todo integral e de acordo com a necessidade de diferenciação das síndrome. Deve-se perguntar também sobre os efeitos de tratamentos e medicamentos usados anteriormente.

woman-coldSOBRE O FRIO E O CALOR

Devemos perguntar também ao paciente se costuma ter febre ou calafrios. A febre e os calafrios ocorrem ao mesmo tempo quando a parte superficial do corpo é invadida por fatores patógenos exógenos. Se é invadido pelo vento-frio, o paciente mostra aversão ao frio, si for invadido por vento-calor, o paciente sente calor excessivo.
Se o paciente só tem calafrios sem febre, isso se deve a deficiência e debilidade de yang e frio que vem do interior do corpo. E isto também ocorre quando o frio patógeno exógeno afeta diretamente a certos órgãos internos. Nesses casos, a manifestação de frio é observada na área afetada, tais como a sensação de frio ou dor na região epigástrica e diarreia com alimento não digerido.
Às vezes, o paciente tem febre  sem calafrios. Uma febre elevada e constante indicia excesso de calor no interior, devido a invasão pelo calor patógeno exógeno ou pela chegada dos fatores patógenos exógenos do exterior para o interior (de fora para dentro). Quando a febre aumenta e baixa em horas determinadas como a maré e em geral sobe pela tarde se chama de febre vespertina, ocorre pelo calor endógeno causado por xu (deficiência) de yin. O paciente pode ter uma sensação febril que se transmite do interior do corpo para a superfície (de dentro para fora), nesse caso se chama “febre de origem óssea”.

Caso a febre e os calafrios se alternem, uma vez por dia por dois ou três dias, possivelmente se trata de malária.

PerspirationSOBRE A TRANSPIRAÇÃO

Quando a parte superficial do corpo é invadida por fatores patógenos exógenos, o suor significa a invasão pelo vento-calor, a ausência de suor indica invasão pelo vento-frio.
A transpiração frequente e exacerbada devido a exercícios físicos rápidos se chama transpiração espontânea.  Geralmente é por conta da debilidade de yang e falta de firmeza dos fatores defensivos.
Se chama respiração noturna o fenômeno que acontece quando você está dormindo, mas não consegue acordar. Isto ocorre por deficiência de yin e hiperatividade de yang e excesso de calor.
O suor frio e profuso durante uma enfermidade grave é um sintoma crítico de colapso yang.

masque-iniciativas-alimentos-y-bebidasSOBRE O ALIMENTO E AS BEBIDAS, O APETITE E O GOSTO

Ter sede e desejo de tomar líquidos é síndrome de calor interior, entretanto não ter sede ou tê-la, mas sem desejo de tomar líquidos, indica frio-umidade. O gosto por alimentos e bebidas quentes significa síndrome de frio e o contrário, calor. Mau apetite sem gosto na boca e saciedade na região epigástrica e abdominal indicam debilidade de baço e estomago. Arroto fétido, regurgitação ácida e repugnância a alimentos depois de comer muito indica retenção de alimento. O gosto doce e pegajoso na boca é sintoma de umidade-calor no baço, enquanto a boca amarga significa hiperatividade do fogo do fígado e da vesícula biliar.

sistema-urinario-feminino-foto-s-k-chavanshutterstockcom-000000000001679FSOBRE A URINA E AS FEZES

A constipação indica calor nos intestinos no qual tem relação com uma síndrome do tipo shi. No caso de constipação em idosos, puerpério ou depois de uma enfermidade prolongada, isto indica uma síndrome de tipo xu devido ao xu de qi e insuficiência de líquidos corporais. Às fezes com sangue e pus ou tenesmos são causados principalmente por umidade-calor nos intestinos. Fezes brancas, com alimentos sem digerir significam debilidade xu e frio do baço e do estomago. A diarreia constante na madrugada ocorre devido ao xu de yang do baço e do rim.
Uma urina amarela escura geralmente significa calor do tipo shi, porém a urina clara e profusa indica frio do tipo xu. A urina frequente (poliúria), escassa em quantidade e de cor amarela intensa, indica acumulo de umidade-calor no rim e na bexiga, uma urina frequente e clara indica xu e frio do rim e da bexiga. A retenção urinária ou urinar com dificuldade (disúria) ocorre de forma frequente a acumulação umidade-calor na bexiga, a insuficiência de yang do rim, a existência de cálculos ou o estagnação de sangue. Uma urina escassa ocorre devido a xu do baço e rim e a retenção de líquidos corporais.

dorSOBRE A DOR

A dor que aumenta na pressão pertence ao tipo shi e é causado pela invasão de fatores patógenos exógenos, pela obstrução de meridianos e colaterais, a estagnação de qi e xue, parasitas intestinais, a retenção de alimentos ou a obstrução por fleuma. A dor que se alivia na pressão pertence ao tipo xu, em geral ocorre devido à má nutrição dos tendões e meridianos por insuficiência de qi e xue e perda da essência yin. A dor que se alivia com o calor indica que foi causada pelo frio e a dor que se alivia pelo frio indica que sua origem é o calor. Uma dor migratória se deve a invasão dos meridianos e colaterais pelo vento patógeno, uma dor fixa se deve a obstrução de meridianos e colaterais por frio-umidade.
A dor de cabeça é uma enfermidade aguda e é causada por fatores patógenos exógenos. A cefaleia persistente e recorrente em uma enfermidade crônica ocorre pela estagnação de xue ou pela perturbação da fleuma que sobe. Uma sensação de ter a cabeça vazia, sem dor, acompanhada por paroxística escura ante os olhos e visão borrada, se deve a insuficiência de qi e xue e a perda da essência de yin.
Podemos classificar as cefalalgias de acordo com a distribuição dos meridianos sobre a cabeça. Por exemplo, a dor no occipício pertence ao canal taiyang, a enxaqueca ao canal shaoyang, a dor frontal e supraorbital ao canal yangming e a cefaleia de vértice pertence ao canal jueyin.
A dor em cima do diafragma indica frequente desordem do coração e pulmões, a dor na região epigástrica indica desordem do baço e estomago, dor na região lombar ou ao redor do umbigo significa desordem de rim e do canal Chong, a dor por debaixo do umbigo e o ventre, desordem do rim, da bexiga e do intestino grosso ou delgado, a dor na região do hipocôndrio indica desordem do fígado e da vesícula biliar.

chas-para-dormirSOBRE O SONO

A insônia significa dificuldade de ficar com sono, não dormir profundamente, facilidade de despertar e dificuldade para voltar a dormir. A insônia acompanhada de tontura e palpitação do coração indica geralmente falta de xue para nutrir o coração por xu de coração e baço. A insônia acompanhada de uma mente perturbada e sonhos angustiosos (pesadelos) indica hiperatividade do fogo do coração. Dificuldade para dormir devido ao arroto ou depois de comer excessivamente indica desarmonia de qi do estomago e transtorno da mente.
É conhecido com letargo quando ocorre a sonolência incontrolada, se for acompanhada de vertigem indica acumulação de fleuma-umidade no interior. O adormecimento com lassidão geral indica deficiência de yang do coração e rim. O estupor letárgico com manifestações de calor marca o inicio de um estado de coma causado por perturbação da mente devido a um transtorno interno de calor patógeno, o estupor letárgico sem manifestações de calor mas com expectoração abundante no peito, língua com saburra grossa e pegajosa indica obstrução de fleuma-umidade no coração.

menstruac3a7c3a3o-capa-e1491537531892.jpgSOBRE A MENSTRUAÇÃO E A LEUCORREIA

O acupunturista deve perguntar as pacientes sobre sua menstruação e a leucorreia e sobre sua história obstétrica.
A menstruação de ciclo curto em grande quantidade e de cor vermelha escura pertence principalmente à síndrome de calor do tipo shi, uma menstruação de ciclo longo em pouca quantidade e de cor vermelha fraca pertence à síndrome de frio do tipo xu. A dor pré-menstrual e distensão no ventre que piora com a pressão e uma menstruação de cor roxa escura com coágulos indica estagnação de qi e xue. A dor pós-menstrual  no ventre que se alivia com a pressão e a menstruação com pouca quantidade de cor vermelha fraca é causado por xu de xue.
Uma leucorreia aquosa e branca sem odor fétido e acompanhada de dor lombar indica xu de yang do baço e rim e a acumulação de frio endógeno, uma leucorreia pegajosa de cor amarela e odor fétido indica a decida de umidade-calor.
O sangramento uterino irregular depois da menopausa, ou a leucorreia amarela e branca mesclada com pus e sangue é uma possível enfermidade severa da umidade tóxica no útero.