URTICARIA – TRATAMENTO POR ACUPUNTURA

Definida como o aparecimento de lesões cutâneas (maculo-pápulas eritematosas) e/ou angioedema durante um período superior a seis semanas, divide-se em dois grandes sub-grupos: a urticária crônica espontânea (UCE) e a urticária crônica induzível (UCInd).

Olá pessoal, vou mudar a abordagem quando for falar sobre patologias, vou buscar informações sobre o conceito alopático agora, antes de informar o conceito médico oriental, de qualquer forma nós trabalhamos e moramos no ocidente não é verdade? Então nada mais justo de dar essa enfase, já que o maior aporte e conhecimento que nossos pacientes e até os frequentadores do O Acupunturista tem são da alopatia.

ALOPATICAMENTE FALANDO

A urticária crônica (UC), definida como o aparecimento de lesões cutâneas (maculo-pápulas eritematosas) e/ou angioedema durante um período superior a seis semanas, divide-se em dois grandes sub-grupos: a urticária crônica espontânea (UCE) e a urticária crônica induzível (UCInd).
A UCE define-se como o desenvolvimento espontâneo de sintomas sem identificação de qualquer fator externo desencadeante, podendo existir causas conhecidas ou não.
A UCInd possui diferentes agentes desencadeantes, que definem os vários tipos de UCInd: urticária ao frio, ao calor, de pressão, solar, aquagenica, colinérgica, de contacto, angioedema vibratório e dermografismo sintomático.

urticaria

A UCE é uma doença complexa do ponto de vista fisiopatológico, multifatorial, o que dificulta a abordagem diagnóstica e terapêutica. Na literatura existe pouca evidência científica para recomendações em relação a procedimentos de diagnóstico ou terapêutica, com poucos trabalhos e casuísticas baixas, o que explica, pelo menos em parte, o sub-diagnóstico e sub-tratamento da UCE. Após o diagnóstico, é consensual que o objetivo da terapêutica seja o controle total dos sintomas, avaliado pelo questionário Weekly Urticaria Activity Score (UAS7).

Tabela de usticária
Questionário Weekly Urticaria Activity Score

ENQUANTO ISSO…NA MTC

Etiologia

Esta enfermidade é causada pelo excesso de calor no sangue e  pela invasão na superfície corporal pelo vento exógeno patógeno ou pelo excesso de uma comida que você não tem costume e inapropriada, que produz acúmulo de calor no estomago e nos intestinos grosso e delgado.

Diferenciação

A urticaria apresenta acesso súbito com erupções de vários tamanhos acompanhados de dor abdominal, constipação, pulso rápido e superficial. Em casos agudo estas manifestações desaparecem rapidamente enquanto em casos crônicos existem reincidências frequentes.

urticaria1

Tratamento

Método: Acupuntura nos pontos do meridiano do Baço e Intestino Grosso, com o método dispersante para eliminar o vento e o calor do sangue.

Exemplo de pontos: Xuehai (B10), Sanyinjiao (B6), Quchi (IG 11), Hegu (IG4).

Quando a urticaria vem acompanhada com dor abdominal, se usa Zusanli (E36) como ponto secundário.

Então, o Xuehai (B10) e Sanyinjiao (B6) podem eliminar umidade-calor no sangue. Quchi (IG11) e Hegu (IG4) servem para aliviar o prurido, o calor e a erupção através do dispersar do vento-calor. Zusanli (E36) pode regular a função do estomago e dos intestinos grosso e delgado além de ser também usado para aliviar dores abdominais.

Nota: Se usa também Auriculoterapia nos pontos de endócrino, pulmão e adrenal. Se usa um método de retenção de agulha (uma hora) com manipulação intermitente.

Diferenciação das síndromes de acordo com os Zang-Fu (Fogo)

Diferenciar as enfermidades de acordo com a teoria zang-fu significa distinguir as enfermidades dos órgãos observando suas condições fisiológicas como base, porque cada um deles tem diferentes funções fisiológicas. Quando um órgão zang ou fu não funciona normalmente sua desordem funcional pode afetar a ele mesmo, mas também pode afetar ou ser afetado por outros órgãos.

Optei por dividir as síndromes zangfu por etapa, agora vamos tratar dos órgãos do elemento fogo e assim por diante. Lembrando que em caso de dúvida e sugestões podem colocar nos comentários. Vamos dar um passeio pelas síndromes do coração, que é a base do Fogo.

Diferenciar as enfermidades de acordo com a teoria zangfu significa distinguir as enfermidades dos órgãos observando suas condições fisiológicas como base, porque cada um deles tem diferentes funções fisiológicas. Quando um órgão zang ou fu não funciona normalmente sua desordem funcional pode afetar a ele mesmo, mas também pode afetar ou ser afetado por outros órgãos.

Já falamos também sobre outros elementos:
Água
Metal
Madeira
Terra

SÍNDROMES DO CORAÇÃO

Deficiência de qi (energia vital) do coração e deficiência do yang do coração

Manifestações Clínicas

Tabla 9
Deficiência do qi do coração e deficiência do yang do coração

Etiologia e patologia

Esta síndrome ocorre devido à deficiência de qi do coração, a influencia patológica de outros órgãos enfermos, a sudorese profusa ou outras causas que lesionam o qi (energia) e xue (sangue).
O coração controla o sangue e o sistema vascular, sua deficiência conduz a deficiência de qi (energia vital) e da circulação sanguínea, o qual origina dispneia e palpitação. A deficiência de yang e de energia wei (weiqi) conduz a sudorese espontânea. A língua, que reflete o estado do coração, se encontra pálida e flácida nesse caso, e o pulso é fraco. A deficiência de yang do coração provoca estase de sangue (xue) e de energia (qi) no tórax, no qual ocasiona sensação de opressão torácica e pulso intermitente. O frio é um sintoma de deficiência de yang, que se manifesta por calafrios e com extremidades frias. A deficiência de yang do coração provoca a sudorese profusa, confusão mental ou perda de consciência e pulso fraco.

Deficiência de xue (sangue) e deficiência de yin do coração

Manifestações clínicas

Tabla 10
Deficiência de xue (sangue) e deficiência de yin do coração

Etiologia e patologia

Esta síndrome ocorre por uma deficiência na produção de sangue ou a uma perda severa por hemorragia puerperal, metrorragia e traumatismos. O cansaço excessivo também prejudica o yin e sangue do coração. Seus sintomas são astenia, neuroses, anemia.

O medo, a insônia e a memoria ruim ocorrem devido à deficiência de sangue e yin. A vertigem e a tontura ocorrem porque o sangue não consegue subir. A deficiência de sangue produz um pulso filiforme e fraco. Quando o yin está debilitado, aumenta o yang e como consequência produz febre, sudorese noturna, sensação de calor nas mãos, nos pés e no peito, a língua fica vermelha e o pulso rápido.

Estase de sangue no coração

Manifestações clínicas

Dor intensa na região precordial e sensação de sufocação, dor ao longo do braço esquerdo, palpitação e inquietude. Em casos severos, cianose na face, nos lábios e nas unhas, extremidades frias, língua de cor roxa ou com manchas roxas, pulso filiforme e fraco.

Etiologia e patologia

Esta síndrome é motivada pela deficiência de yang do coração que não consegue dirigir bem a circulação do sangue. Também os fatores emocionais, cansaço excessivo, invasão de frio ou acumulação de fleuma que obstrui a circulação sanguínea (angina o peito, infarto do miocárdio). A palpitação ocorre pela obstrução do yang no tórax que detém o fluxo de sangue e de qi. Como seu canal corre ao longo do braço, isto explica a dor nesta região. A cianose ocorre por causa da estase sanguínea.

fire-heart-digital-art-image-2048x1152

Hiperatividade de fogo do coração

Manifestações clínicas

Dor na ponta da língua, úlcera bucal, boca amarga, irritabilidade, insônia, sede, rubor facial, hematêmese, epistaxe, língua vermelha, pulso rápido, sensação de arder ao urinar ou hematúria.

Etiologia e patologia

Esta síndrome ocorre devido a fatores  emocionais ou aos fatores patógenos exógenos que se transformam em fogo ou a uma ingestão exacerbada de alimentos picantes ou condimentados. Se o fogo do coração chega ao intestino delgado, há a sensação de ardor ao urinar ou hematúria. A úlcera na língua, a sede e a insônia ocorrem devido à ascensão do fogo do coração.

Obsse

Fleuma-fogo no coração

Manifestações clínicas

  • Nos casos de fleuma-fogo por estagnação da umidade – transtorno mental, histeria, epilepsia, esquizofrenia ou come devido a acidente vascular cerebral (AVC).
  • Nos casos de fleuma no coração – transtorno mental, sonolência, apatia, catatonia (em casos severos se perde a consciência), pulso escorregadio, língua com saburra branca.
  • Os sintomas de fleuma-fogo que invadem o coração – Irritabilidade, palpitação, sabor amargo na boca, insônia, pesadelos, fala incoerente, choro ou risos sem motivos, tentativas de luta, pulso escorregadio e rápido, língua amarela.

Etiologia e patologia

As fleumas-fogo se originam da umidade e resultam na estagnação de qi devido à excitação mental, depressão mental e a obsessão. Também podem ser originados por hiperatividade do fígado ou por estagnação da umidade.

O coração controla o espirito e a mente, e se estiver alterado atrapalha suas funções. O fogo excessivo do fígado da origem a fleumas-fogo, quando ele ascende, afeta a mente e provoca transtorno mental, língua amarela e pulso rápido. Uma língua com saburra pegajosa e um pulso escorregadio são sintomas de obstrução por fleumas no coração. Se o calor invade o pericárdio aparece à febre alta, coma e delírio.

3774720793_b4253b8331_b

SÍNDROMES DO PERICARDIO

As síndromes do pericárdio são consideradas clinicamente como uma invasão de calor ao pericárdio.

Suas manifestações principais são: febre elevada, coma e delírios devidos a penetração profunda de calor patógeno no interior causando distúrbios na mente. O mesmo que ocorre na fleuma-fogo no coração.

SÍNDROMES DO INTESTINO DELGADO

Os transtornos da função do intestino delgado na digestão e absorção são incluídos geralmente nas disfunções de baço de transportar e transformar. No mais, há uma síndrome conhecida como “o calor do coração se move em direção ao intestino delgado”. Suas manifestações clínicas são as mesmas da síndrome de hiperatividade do fogo do coração.

Diferenciação das Síndromes de acordo com os oito princípios – Ba Gang

Os oito princípios são, Deficiência e Excesso, Externo e Interno, Frio e Calor e o Yin e Yang. Através deles podemos diferenciar as síndromes patológicas e descobrirmos que não se baseia apenas em sinais e sintomas, mas sim, uma reflexão patológica.

A diferenciação de uma síndrome ocorre por uma analise e uma síntese – do externo ao interno, de um ou outro aspecto – dos dados clínicos obtidos pelos métodos de diagnósticos a fim de determinar a natureza, localização da enfermidade, estado entre a resistência do corpo e os fatores patógenos. Assim podemos observar que a diferenciação não é apenas o resultado de uma enumeração de sinais e sintomas, mas sim, uma reflexão patológica. Um diagnóstico correto é requisito indispensável para a aplicação de um método terapêutico correto e obtenção de um resultado clínico.

Existem muitos métodos para a diferenciação de síndromes. Neste post vou falar sobre a diferenciação através dos oito princípios Ba-Gang. Cada um dos métodos enfatiza um aspecto particular, porém, se unem e se complementam mutuamente. Na prática clinica devemos considerar também a diferenciação de síndromes referentes a etiologia e os métodos de diagnósticos.

OS OITO PRINCÍPIOS (Ba-Gang)

Os oito princípios das diferenciações das síndromes são: externo e interno, frio e calor, xu (deficiência) e shi (excesso), yin e yang. Este método tem ampla aplicação clínica. A aplicação deste método permite observar a diversidade e complexidade das manifestações clínica e as mudanças patológicas para descobrir a causa e resolver os complicados problemas sistematicamente. O externo e interno tem relação com a profundidade da enfermidade, o frio e o calor tem relação com sua natureza, xu e shi como grau de conflito entre os fatores anti-patógenos e fatores patógenos, yin e yang são os princípios que orientam os oito princípios. Todas as síndromes externas, de calor e de tipo shi encontram-se dentro da categoria yang, enquanto todas as síndromes internas, de frio e de tipo xu encaixam na categoria yin. Vemos frequentemente na clínica síndromes externas e de frio ou internas e de calor que pertencem a complexas síndromes yin-yang. Apesar de existir vários sinais e sintomas, vamos falar dos mais comuns de acordo com cada síndrome.

EXTERNO (Biao) E INTERNO (Li)

O externo e interno formam o principio relacionado com a profundidade da enfermidade e fazem parte do desenvolvimento da mesma. A síndrome externa se apresenta quando os fatores patógenos exógenos invadem a parte superficial do corpo, com um ataque súbito e de curta duração. Os sintomas principais são: aversão ao frio (ou vento), febre, cefaleia, obstrução nasal e pulso superficial. A síndrome interna ocorre pela transmissão de fatores patógenos exógenos para o interior caso não sejam eliminados a tempo ou devido a um ataque direto aos zang-fu (órgãos) pelos fatores patógenos exógenos. A disfunção dos zang-fu é também uma das causas de síndromes internas. Geralmente, o principal sinal para distinguir a síndrome externa e interna consiste em que o primeiro tem febre acompanhada de aversão ao frio (ou vento), enquanto que o segundo tem febre que se apresenta sozinha. Temos que dar muita importância as diferenciações de frio, calor, xu ou shi das síndromes internas e externas.

Tabla 4
Diferenciação de Frio, Calor, XU e SHI em síndromes externas e internas

A síndrome externa é geralmente leve e superficial, a localização da enfermidade está na parte superficial do corpo e em período inicial sendo uma enfermidade de causa exógena. A síndrome interna é severa e profunda porque o fator patógeno penetra no interior do corpo, prejudicando assim os órgãos zang-fu.

FRIO (Han) E CALOR (He)

Frio e calor são as diferentes naturezas da enfermidade. A maioria das enfermidades causadas por fogo, calor de verão ou secura patógeno pertencem a síndromes de calor, e as enfermidades causadas por frio patógeno, pertencem à síndrome de frio. Mas o último pode se transformar em primeiro. Também, xu de yin ou yang podem ser convertidos, respectivamente, em síndrome de calor ou de frio do tipo xu. Estes são distintos, e devemos saber diferenciar do tipo shi. A manifestação clinica:

Diferenciar uma síndrome de frio de uma síndrome de calor não é difícil, pois são dois opostos por natureza e tem manifestações notavelmente diferentes.

Tabla 5
Diferenciação de síndromes de Frio e de Calor do tipo SHI

XU (DEFICIÊNCIA) E SHI (EXCESSO)

Xu e shi são dois princípios que são usados para analisar o grau de conflito entre a resistência anti-patógena e os fatores patógenos exógenos no processo da enfermidade. As síndromes do tipo xu (deficiências) se referem às enfermidades em que a função do corpo humano é fraca, o fator anti-patógeno é insuficiente, e a coordenação de yin e yang está em desequilíbrio enquanto a influencia do fator patógeno já não é evidente. As síndromes do tipo shi (excesso) se referem as enfermidades em que a função corporal não é muito fraca e o fator anti-patógeno ainda é forte, enquanto o fator patógeno é hiperativo e existe uma luta aguda entre os fatores anti-patógenos e patógenos. Se o fator anti-patógeno é fraco e fracassa ao se opor ao fator patógeno, se produz uma enfermidade complicada entre xu e shi. As síndromes do tipo xu devem ser tratadas com o método tonificante e as síndromes do tipo shi devem ser tratadas com o método dispersante. Quando xu e shi coexistem devemos aplicar os métodos em forma combinada.

Uma síndrome do tipo shi é acompanhada frequentemente de uma síndrome de natureza quente enquanto uma síndrome do tipo xu de uma natureza fria.

Tabla 6
Diferenciação de síndromes dos tipos XU e SHI

Nessa próxima imagem podemos ver as diferenças entre as síndromes do tipo xu de yang (deficiência de yang) e as síndromes do tipo xu de yin (deficiência de yin).

Tabla 7
Diferenciação de síndromes do tipo XU de Yang e do tipo Xu de Yin

YIN E YANG

Como falei antes, yin e yang são dois princípios gerais usados para indicar a categoria a que pertencem a enfermidade e servem também para explicar algumas mudanças patológicas dos órgãos zang-fu e os tecidos, tais como : síndromes de xu de yin, síndromes de colapso de yin, síndromes de xu de yang, síndromes de colapso de yang, etc.

Pelas manifestações clinicas concernentes se podem dizer que todos os que se caracterizam por hiperatividade, excitação, inquietude e brilhante ou cor vermelha pertencem a síndrome de yang, enquanto os que se caracterizam por hipoatividade, inibição, quietude, cor escura e pálido pertencem a síndrome de yin. Sobre isso já falamos nos 6 princípios anteriores. Esse é um esquema sobre a diferenciação de síndrome de colapso yin e colapso yang.

Tabla 8
Diferenciação de síndromes de colapso de Yin e colapso de Yang

Em breve falaremos sobre outros métodos de diferenciar síndromes de acordo com outras teorias da vasta Medicina Chinesa e suas aplicações.

Qualquer dúvida ou comentário pode postar e entraremos em contato por e-mail para tirar dúvidas e acrescentar no site.

E-mail é oacupunturista@gmail.com

 

Métodos de diagnósticos: Pulsação e palpação (Parte 3/3)

A palpação é um método de diagnóstico usado para detectar as condições patológicas através do tato e da pressão em certas áreas do corpo. Duas formas básicas de efetuar a palpação são a pulsação e o uso dos canais e meridianos.

A palpação é um método de diagnóstico usado para detectar as condições patológicas através do tato e da pressão em certas áreas do corpo.  Duas formas básicas de efetuar a palpação são a pulsação e o uso dos canais e meridianos.

Pulso

O local para palpar o pulso fica na parte da artéria radial do pulso. Podemos dividir em três regiões: Cun, Guan e Chi. A região oposta ao processo estiloide do radio é conhecido pelo nome de guan, após o processo estiloide é o cun e atrás do guan está o chi. As três regiões cun, guan e chi da mão esquerda refletem respectivamente as condições do coração, fígado e rim e a mão direita as condições do pulmão, baço e rim.

Ao palpar o pulso, o paciente deve por sua mão com a palma para cima sobre uma almofada. Primeiro devemos localizar guan com o dedo médio, logo depois, por naturalmente os dedos indicador e anular, para localizar cun e chi. A força dos dedos deve ser primeiro leve, em seguida moderada e por último forte, para obter uma ideia geral sobre a profundidade, frequência, ritmo, força e forma do pulso. Qualquer mudança anormal em qualquer região do pulso poderá ser determinada exercendo uma pressão uniforme nas três regiões e depois palpando as três regiões separadamente fazendo uma comparação com a finalidade de obter uma impressão correta do pulso como um todo.

A frequência normal do pulso é de 4-5 pulsações a cada respiração, o pulso deve ser rítmico e vigoroso.

maxresdefault

Os pulsos anormais que são mais frequentes e seu significado clínico são os seguintes:

  1. Pulso superficial – pulso que se percebe com uma ligeira pressão dos dedos, mas enfraquece ao aumentar a pressão. Este tipo de pulso se observa frequentemente no período inicial de síndromes superficiais, originadas por fatores patógenos exógenos. Vista também em pacientes que tem enfermidades crônicas e que se encontra em um estado geral de debilidade. Neste caso, porém, o pulso é mais frequentemente superficial e fraco.
  2. Pulso profundo – Pulso que só podemos perceber pressionando fortemente. Aparece em síndromes internas.
  3. Pulso lento – Pulso cuja frequência é menos que quatro vezes a cada respiração. Aparece geralmente em síndromes causadas pelo frio.
  4. Pulso rápido – Pulso cuja frequência é maior que cinco vezes a cada respiração. Aparece em geral em síndromes causadas pelo calor.
  5. Pulso fraco – Pulso fraco e sem força que desaparece ao aumentar a pressão, Se apresenta frequentemente em síndromes do tipo xu (deficiência).
  6. Pulso forte – Pulso forte que não desaparece ao aumentar a pressão. Pode ser observada em síndromes do tipo shi (excesso).
  7. Pulso corda – Pulso tenso e forte com se sente ao pressionar uma corda de arco/violão. Encontramos em enfermidades por insuficiência de yin e hiperatividade de yang do fígado.
  8. Pulso escorregadio – Pulso que se percebe com um deslizamento de pequenas bolas em um prato. Observado em casos de acúmulo de fleumas ou de indigestão. Também encontrado nas pessoas saudáveis e grávidas.
  9. Pulso filiforme – Pulso pequeno e quase imperceptível, que traz a sensação de um fio. Visto principalmente nas síndromes de xu (deficiência) e de qi e xue.
  10. Pulso curto – Pulso rápido com pausas irregulares. O pulso curto e forte é encontrado em síndromes de hiperatividade de calor, fleuma excessiva, estagnação de qi e xue e retenção de alimentos. Um pulso curto e fraco é sinal de colapso.
  11. Pulso áspero – Pulso lento e gradual com pausas irregulares. Indica frio endógeno ou retenção de frio-fleuma e estagnação de xue (sangre) no interior.
  12. Pulso intermitente – Pulso lento com pausas regulares. Observado em paciente com perda de qi e xue e debilidade de yangqi (qi do yang).

Os pulsos curto, áspero e intermitente são chamados também de pulsos de batimento perdido.

O pulso pode variar de acordo com fatore como a estrutura corporal, atividade, constituição geral do paciente e clima, os quais devem ser considerados ao realizar o diagnóstico.

Para poder distinguir corretamente os diferentes tipos de pulsos requer uma longa prática clínica. Se for palpado dois ou mais tipos de pulsos em um mesmo paciente, por exemplo, um pulso rápido e filiforme, o profundo e filiforme, ou filiforme e corda, devemos fazer uma analise do significado clínico da combinação dos pulsos considerando a situação geral do paciente.

AA023149

Palpação dos meridianos e seus pontos

A prática clínica demonstra que em algumas enfermidades podemos encontrar algum ponto doloroso ou outra reação anormal ao longo do trajeto dos meridianos ou em certos pontos. Por exemplo, se tratando de uma desordem dos pulmões podemos encontrar dor ao pressionar o ponto zhongfu (P1) ou um nódulo resistente no ponto feishu (B13), no caso do fígado, podemos localizar dor no ponto ganshu (B18) e qimen (F14), no caso de gastralgias podemos encontrar dor nos pontos weishu (B21) e zusanli (E36), enquanto que na apendicite a dor pode ocorrer no ponto lanwei (apêndice) (Extra). Estes sinais tem um grande significado para o diagnóstico através da palpação e especialmente para o tratamento por acupuntura.

A palpação abdominal é também um método importante. A distensão abdominal com uma nota timpânica como resposta a percussão e urina normal indica estagnação de qi. Se ao palpar a região abdominal sente-se distensão e tem a sensação de uma bolsa de água, provavelmente há acumulação de líquidos. Massas duras e imóveis na região abdominal podem ser sintomas de uma estagnação de sangue, caso as massas sejam móveis e suaves são sintomas de uma estagnação de qi. Caso o paciente tem um grupo de massas no abdome esquerdo e ao mesmo tempo constipação é possível que seja retenção de fezes secas. Uma dor que não pode ser tolerada na pressão no ventre direito é possível que seja apendicite provocada por estagnação de qi e xue.