Síndrome Bi – Dor nas Articulações

 

dores-articulares-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular-sao-paulo-campinasBi significa obstrução da circulação de Qi e Xue causado pela debilidade de Qi defensivo. Caracterizado pela invasão de frio, vento e umidade nos canais e colaterais quando a pessoa sua ao receber vento ou se senta e dorme em lugares úmidos ou anda e trabalha em lugar com muita água. A síndrome Bi pode se dividir em diversos tipos, tais como Bi migratório onde o vento é predominante, Bi doloroso onde o frio é predominante, Bi fixo onde a umidade é predominante e Bi febril onde o vento, frio e umidade se convertem em calor.

Diferenciação

O sintoma principal da síndrome Bi são as artralgias acompanhadas de dor e edema de alguns músculos. Em casos crônicos, aparece contratura das extremidades, e inclui inflamação ou deformação das articulações.

  • Bi migratório: Este tipo se caracteriza por dor migratória nas articulações de extremidades, com limitação de movimentos, a dor não é fixa, aversão ao frio, febre, língua com saburra fina e pegajosa, pulso superficial e rápido.
  • Bi doloroso: Artralgia que se alivia com o calor moderado e se agrava com o frio, sem inflamação local, língua com saburra branca e fina, pulso profundo e de corda.
  • Bi fixo: Inchaço da pele e músculos, sensação de peso no corpo e nas extremidades, artralgia com dor fixa, com ataques provocados quando o tempo está chuvoso e nublado, língua com saburra branca e pegajosa, pulso profundo e lento.
  • Bi febril: Artralgia onde não aguenta palpação, com inflamação local em uma ou várias articulações. Os sintomas secundários são febre e sede, língua com saburra amarela, pulso escorregadio e rápido.

Acupuncture

Tratamento

Podemos usar pontos locais dos canais yang de acordo com o local afetado, combinando com os pontos distais para eliminar o vento, frio e a umidade. Em Bi migratórios é tratado principalmente com Acupuntura, em Bi doloroso com moxabustão e Acupuntura. Para a dor grave, usamos agulhas ou moxabustão indireta com gengibre. Em Bi fixo podemos usar Acupuntura e moxabustão e a agulha térmica (quente) também é indicado. Para a Bi febril podemos usar Acupuntura com o método dispersante.

Exemplo de pontos que podem ser usados

  • Dor na articulação do ombro: Jianyu (IG 15), Jianliao (SJ 14), Jianzhen (ID 9), Naoshu (ID 10).
  • Dor na escápula: Tianzong (ID 11), Bingfeng (ID 12), Jianwaishu (ID 14), Gaohuangshu (B 43).
  • Dor no cotovelo: Quchi (IG 11), Chize (P 5), Tianjing (SJ 10), Waiguan (SJ 5), Hegu (IG 4).
  • Dor no punho: Yangchi (SJ 4), Yangxi (IG 5), Yanggu (ID 5), Waiguan (SJ 5).
  • Inchaço e dor nos dedos: Houxi (ID 3), Sanjian (IG 3), Baxie (Extra).
  • Dor na articulação do quadril: Huantiao (VB 30), Yinmen (B 37), Juliao do fêmur (VB 29).
  • Dor na articulação dos joelhos: Liangqiu (E 34), Dubi (E 35), Xiyan médio (extra), Yanglingquan (VB 34), Xiyangguan (VB 33), Yinlingquan (BP 9).
  • Inchaço e dor nas pernas: Chengshan (B 57), Feiyang (B 58).
  • Dor na região dos maléolos: Jiexi (E 41), Shangqiu (BP 5), Qiuxu (VB 40), Kunlun (B 60), Taixi (R 3).
  • Inchaço e dor nos dedos dos pés: Gongsun (BP 4), Shugu (B 65), Bafeng (Extra).
  • Dor na região lombar: Yaoyangguan (DU 3)
  • Dor generalizada: Houxi (ID 3), Shenmai (B 62), Dabao (BP 21), Geshu (B 17).

De acordo com os sinais e sintomas podemos acrescentar o Dazhui (DU 14) para Febre e o Dashu (B 11) para deformações nas articulações.

dor-nas-articulações

É necessário selecionar os pontos locais de acordo com o trajeto dos canais para relaxar os tendões, remover a obstrução dos canais e colaterais, regular a circulação de Qi e Xue e eliminar os fatores patógenos.

Nota: Podemos ver a síndrome Bi na febre reumática, artrite reumatoide e reumática e gota.

Acupuntura é usada como anestesia em cirurgias no Brasil

Em 2009 o Jornal Folha de São Paulo Saúde publicou uma nota sobre o uso da Acupuntura como Anestesia na Cirurgias no Brasil, passando por opiniões de diversos médicos que são a favor e contra.acupuntura-pontos-marcus-yu-bin-pai

 


São Paulo, quarta-feira, 21 de outubro de 2009
ACUPUNTURA É USADA COMO ANESTESIA EM CIRURGIAS NO BRASIL

Procedimento foi difundido na década de 70, mas ainda há poucos estudos internacionais comprovando sua eficácia.
Agulhas são posicionadas em locais específicos e são eletroestimuladas; cérebro recebe a mensagem e libera os analgésicos naturais.

FERNANDA BASSETTE
DA REPORTAGEM LOCAL

Médicos brasileiros estão adotando a acupuntura para substituir a anestesia em algumas cirurgias, como as de hérnia inguinal (caroço perto da virilha), nódulos na tireoide e partos cesarianos e normais.

Ao contrário da anestesia tradicional (em que o paciente chega a perder temporariamente todos os sentidos), a analgesia com acupuntura tira a dor, mas mantém os outros sentidos ativos (como movimentos, pressão e calor). A técnica é usada desde a década de 70, quando foram publicados os primeiros estudos chineses. Desde então, nenhum grande centro teve resultados publicados em revistas científicas internacionais.

A primeira cirurgia do gênero foi feita no país em 1978, no Hospital de Clínicas Pedro 2º (ligado à Universidade Federal de Pernambuco), pelo acupunturista Gustavo Sá Carneiro. Carneiro reúne mais de cem casos, ele diz que teve de recorrer à analgesia tradicional em dois deles. Os primeiros resultados foram publicados na revista “Senecta”, em 1982. “Faço cirurgias com acupuntura até hoje, mas ainda enfrento resistência porque a técnica é desconhecida”, diz Carneiro.

Médicos do Hospital de Base de São José do Rio Preto também estão adotando a técnica desde 2002 e reúnem mais de 30 casos. Os resultados ainda não foram publicados. “A técnica não substitui nenhuma outra, mas é mais uma opção”, diz a anestesista e acupunturista Ana Patrícia Moreira Lima.

Antes da cirurgia, o paciente é preparado para se acostumar ao ambiente cirúrgico e costuma passar por sessões de acupuntura em ambulatório.

A cirurgia é um pouco mais demorada do que a convencional, as agulhas levam cerca de 30 minutos para começar a fazer efeito anestésico, mas a recuperação é mais rápida, com menos uso de drogas.

Durante o procedimento, as agulhas são colocadas em áreas como punhos, mãos, tornozelos e perto de onde será feita a incisão. Em seguida, são conectadas a um eletroestimulador. “Essa estimulação manda uma mensagem ao cérebro, que passa a produzir os opioides endógenos [analgésicos naturais]. Assim, o paciente não sente mais dor”, afirma Lima.

O acupunturista Hong Jin Pai, presidente do Colégio Médico de Acupuntura do Estado de São Paulo e médico do Centro de Acupuntura do Hospital das Clínicas de São Paulo, diz que não utiliza o método porque ele não é totalmente eficaz. Ele afirma que, em cirurgias de cabeça e pescoço, a taxa de sucesso é de cerca de 75%, e nas abdominais, de 50%. Os outros pacientes recebem anestesia porque não suportam a dor.

Para o cardiologista e acupunturista Evaldo Martins Leite, presidente da Associação Brasileira de Acupuntura, a técnica é vantajosa mesmo nos casos em que é necessário aplicar anestesia, pois o paciente receberá menos drogas por estar parcialmente anestesiado.

“O fato de diminuir a quantidade de anestésico é um ponto positivo. Mas a técnica enfrenta resistência dos próprios acupunturistas”, afirma.

Jin Pai também diz que o tempo de preparo do paciente limita o uso da técnica e que a acupuntura como anestesia só deveria ser recomendada para pacientes alérgicos. “Seria a última alternativa”, afirma.

O anestesista Carlos Eduardo Lopes Nunes, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Anestesiologia, diz que a entidade não contraindica a acupuntura como anestesia cirúrgica, mas também não a ensina como método regular.

Segundo Nunes, a sociedade reconhece a aplicação da acupuntura como tratamento da dor crônica. Para o uso em cirurgias, entretanto, ele faz uma ressalva: diz que o procedimento deve ser feito exclusivamente por médicos anestesistas acupunturistas.
“Se o profissional tiver formação clássica e dominar a acupuntura, tudo bem, pois ele poderá mudar a técnica anestésica se for necessário.”


E hoje, 10 anos depois, o que você acha que a classe pensa sobre o assunto?

Auriculoterapia

 

auriculo

Demoramos de falar nesse assunto e nem tinha notado, até uma leitora que acompanha nossas matérias pedir que falássemos algo sobre a auriculoterapia ou terapia auricular, irei dedicar mais uma matéria ou duas sobre o assunto, já falamos sobre um artigo, iremos falar sobre outros.
Devido a facilidade e certa simplicidade em usar a técnica de acupuntura auricular, tem gerado um grande número de adeptos na área, seja tratando apenas com sementes ou sementes e agulhas, enfim, muitas pessoas estão sendo surpreendidas com essa técnica chinesa maravilhosa (mesmo que sintomático).

Terapia Auricular

A Auriculoterapia é uma variante da Acupuntura, na qual puncionamos pontos na orelha para a prevenção e tratamento de enfermidades. Existem registro destes pontos no livro Neijing e em outros documentos médicos das dinastias subsequentes. Este método foi usado pelo povo chinês durante muitos anos. Depois da Libertação, os médicos chineses haviam herdado e desenvolvido sua medicina tradicional e investigado os avanços científicos do exterior afim de conquistar uma compreensão final sobre a auriculopuntura. Hoje este método está dando grande resultados graças a prática e a sua sintetização.

Relações entre a orelha e os canais, colaterais e órgãos zangfu

A medicina tradicional chinesa considera que a orelha não é um órgão isolado, mas sim um órgão que tem intima relação com os canais, colaterais e órgãos zangfu. O Neijing diz que o qi e xue dos doze canais e seus 365 colaterais ascendem pela face e para o cérebro e suas ramificações chegam até a orelha mantendo assim a função auditiva normal. Assim foi estabelecido a relação entre a orelha e os canais e colaterais. Os seis canais yang entram ou chegam ao redor da orelha, por exemplo, o Canal do Intestino Delgado Taiyang da Mão, o Canal do Intestino Grosso Yangming da Mão, o Canal do Sanjiao Shaoyang da Mão e o Canal da Vesícula Biliar Shaoyang do Pé entram no ouvido, porém o Canal do Estômago Yangming do Pé e o Canal da Bexiga Taiyang do Pé passam pela região periauricular. Os seis canais yin conectam indiretamente com a orelha por meios das ramificações dos 12 canais. Dos canais extraordinários, o Canal Yangqiao e o Canal Yinqiao se reúnem atrás da orelha e o Canal Yangwei passa acima da orelha. Por tanto, o Neijing diz que a orelha é o lugar onde convergem os canais e colaterais.

Auriculo 2

Nos documentos médicos antigos também se encontram várias notas sobre a relação entre o ouvido e os órgãos zangfu. Por exemplo, no Neijing fala que o qi do Rim está em relação com o ouvido. Somente quando o qi do Rim é suficiente, a função auditiva é normal, quando o jing (essência) do rim e a medula do cérebro são deficientes, dão origem tontura, tinnitus (zumbido), etc. A partir disso entendemos que o ouvido está relacionado também com os órgãos zangfu fisiopatológicamente.

Em condições normais, a função fisiológica de várias partes do corpo se mantem em uma posição de equilíbrio e de coordenação relativa. Quando se perdem o equilíbrio e a coordenação, ocorrendo a obstrução dos canais, começam a apresentar algumas reações nas zonas correspondentes da orelha. Clinicamente, quando alguma parte do corpo sofre um transtorno, podemos curar com a auriculopuntura em certos pontos, correspondentes para promover a circulação de qi e xue, nos canais e colaterais e regular a função dos órgãos zangfu.

Nomeclatura anatômica da superfície auricular

A orelha está composta por uma lâmina fibrocartilaginosa, os tecidos conjuntivos ricamente inervados. Os nervos principais são: nervo auricular maior e nervo occipital menor provenientes da segunda e terceira vértebra cervical, a ramificação auriculotemporal do nervo trigêmeo, a ramificação aurículo-posterior do nervo facial e a ramificação dos nervos vagos e glossofaríngeo.

Nomenclatura anatômica (Fig 1)

Orelha

 

  1. Hélice
    Parte que é uma proeminência semicircular que forma a borda superior
  2. Cruz da hélice
    Extremo inferior anterior da hélice, uma proeminência horizontal
  3. Tubérculo auricular ou Tubérculo de Darwin
    Eminência pequena na parte posterior superior da hélice
  4. Raiz ou cauda da hélice
    O extremo inferior da hélice, na união da hélice com o lóbulo da orelha
  5. Anti-hélice
    Eminência de cartilagem curvilínea proeminente da orelha, que fica no espaço que separa a hélice da fossa auricular e se bifurca em ramos inferior e superior.
  6. Fossa triangular
    Depressão entre os ramos inferior e superior da anti-hélice
  7. Fossa escafóide
    Uma depressão entre a hélice e a anti-hélice
  8. Trago ou tragus
    Eminência cartilaginosa curva e proeminente a frente  do orifício do conduto auditivo externo
  9. Incisura anterior do trago (supratrago)
    Depressão formada pela hélice e a borda superior do trago
  10. Antitrago
    Uma pequena proeminência oposta ao trago e inferior a anti-hélice
  11. Incisura inter-tragiana
    Depressão formada pelo trago e anti-trago
  12. Fossa do anti-trago
    Depressão entre o anti-trago e anti-hélice
  13. Lóbulo da orelha
    Porção muscular inferior da orelha (onde não há cartilagem)
  14. Concha cimba ou cymba
    Porção superior da concha da orelha acima da cruz da hélice
  15. Concha cava
    Porção inferior da concha da orelha, inferior a cruz da hélice
  16. Orifício do conduto auditivo externo
    Saída da concha cava que é coberta pelo trago (não coloquei na imagem)

Pontos da auriculopuntura

Os pontos auriculares são pontos específicos para tratar enfermidades por meio de sua estimulação. Quando algum dos zang-fu ou alguma parte do corpo sugere um transtorno, as parte correspondentes da orelha aparecem reações como dor, mudanças morfológicas e de cor, variações da resistência elétrica. Podemos ter esses fenômenos como referência no diagnóstico e aplicar o estímulo nestes pontos sensíveis para a prevenção e tratamento da enfermidade. Estes pontos sensíveis denominamos pontos dolorosos a pressão, pontos de maior condutividade ou pontos sensíveis.

As diferentes regiões do corpo encontramos em certas áreas da orelha. Geralmente o lóbulo corresponde a cabeça e a bochecha, a fossa escafoide corresponde as extremidades superiores, a anti-hélice e suas ramificações superior e inferior as extremidades inferiores e ao tronco, a concha cimba e a concha cava corresponde as vísceras. Demonstrado na figura 2.

 

mapaauriculoclssicoccc-12
Figura 2

Nota

A auriculoterapia possui várias escolas, embora todas partindo da chinesa, algumas escolas mudaram alguns pontos ou acrescentaram outros. Assim pode ser que você ache outros mapas auriculares com pontos em locais diferentes e com diversos pontos com nomes de doenças ou com partes bastante específicas do corpo nas partes que estão em branco na escola chinesa.

Vale lembrar também que os métodos de diagnóstico e tratamento da auriculoterapia pode diferenciar e muito (o que justifica a busca por outros pontos). Por exemplo, se usamos a auriculoterapia baseado nas teorias chinesas (no tripé Yin-Yang / Zang-fu / cinco movimentos ou elementos) o diagnóstico e tratamento é muito mais profundo e não necessitando de uso de tantos pontos, o que é bom para o paciente e para o acupunturista, já no caso mais disseminado nos cursos hoje são por pontos e patologias gerais e locais, sendo assim precisa-se de mais pontos para tratar os locais específicos. Assim conseguimos saber quem trata mais holisticamente, ou seja no todo a nível sistêmico, e quem é mais material, local ou sintomático.

O efeito terapêutico da acupuntura no couro cabeludo no autismo nativo e no autismo regressivo

autismArtigo publicado pela School of Chinese Medicine, Hong Kong Baptist University, Kowloon Tong, Hong Kong, por Chuen Heung Yau, Cheuk Long Ip e Yuk Yin Chau.

The therapeutic efect of scalp acupuncture on natal autism and regressive autism

Os transtornos do espectro do autismo (ASD) são de uma doença comum e a incidência vem aumentando constantemente. A acupuntura é uma das terapias de medicina complementar e alternativa mais utilizadas. Apesar de estudos terem sido feitos sobre a eficácia da acupuntura em crianças com autismo, fatores como a idade cronológica e o padrão de início influenciam a eficácia da terapia ainda não estão esclarecidos. O objetivo deste estudo retrospectivo é saber como a sintomatologia do autismo se altera com a introdução da acupuntura no couro cabeludo e como a idade e o tipo de início afetam a eficácia da terapia.

Métodos: Crianças com autismo entre 2 e 11 anos de idade foram convidadas a participar do estudo. No decorrer da investigação, eles receberam um total de 30 sessões de terapia com acupuntura no couro cabeludo. Eles foram então avaliados para comparar o desempenho em vários aspectos antes e após o tratamento. A influência sobre o efeito terapêutico por fatores incluindo idade cronológica e padrão de início foram ainda levados em consideração e analisados. Além disso, a investigação sobre a relação entre alergias e o padrão de início do autismo foi realizada analisando estatisticamente os dados epidemiológicos recebidos dos participantes.

Resultado: Participaram do estudo 68 crianças com autismo. Verifica-se que a taxa efetiva significante de acupuntura no couro cabeludo no autismo é de 97%. A acupuntura do couro cabeludo pode melhorar os problemas de comunicação verbal, enquanto a sensibilidade ao ruído melhora o mínimo. A eficácia terapêutica diminui com o aumento da idade e as crianças com autismo natal se beneficiam mais da acupuntura do que aquelas com autismo regressivo. Na última parte do estudo, observamos uma correlação positiva entre a história familiar de alergia e o padrão de início.

Conclusão: A acupuntura do couro cabeludo é um tratamento efetivo para aliviar a sintomatologia do autismo. Espera-se que a efetividade terapêutica seja maior naqueles pacientes com início natal ou precoce da doença, e em uma idade mais jovem, quando recebem a terapia. O resultado do estudo ajuda a formular um regime ideal para pacientes com autismo e permite que terapeutas e pais façam a expectativa apropriada para o resultado terapêutico da acupuntura. Recomenda-se a intervenção precoce da terapia com acupuntura no couro cabeludo. A relação entre a história familiar de distúrbio alérgico e o tipo de autismo sugere que as etiologias do autismo natal e regressivo são discretas. Isso mostra uma grande significância na diferenciação do padrão de início na realização de avaliações clínicas ou pesquisas em pacientes com autismo.

Registro deste estudo retrospectivo foi aprovado pelo Comitê para o Uso de Seres Humanos e Animais no Ensino e Pesquisa, Universidade Batista de Hong Kong, em 4 de agosto de 2017. O número registrado retrospectivamente é HASC / Student / 17-18 / 0115.

autism (1)

Início

Segundo a Organização Mundial da Saúde, estima-se que 1 em cada 160 crianças esteja sofrendo de transtornos do espectro do autismo (ASD) em todo o mundo e a prevalência vem aumentando nos últimos 50 anos. O diagnóstico de autismo enfatiza alguns aspectos essenciais, incluindo interação social recíproca, comunicação e comportamentos restritos e repetitivos. Em termos de padrão de início, dois tipos de autismo podem ser observados clinicamente. Crianças com desenvolvimento social anormal e atraso na fala em torno de 1 ano de idade são identificadas como autismo de início precoce ou autismo; enquanto algumas crianças podem desenvolver-se normalmente nos primeiros anos, mas perdem as habilidades previamente adquiridas no início do autismo, são conhecidas como autismo regressivo ou adquirido.

Como não há cura definitiva para o ASD, vários métodos de tratamento afirmam ser benéficos para crianças autistas. Tratamentos de medicina complementar e alternativa (CAM) têm sido comumente usados ​​no tratamento de ASD. Estudo relatou que 74% das crianças diagnosticadas com autismo usam um ou mais de um tipo de tratamento de CAM, pois percebem que as intervenções de CAM são seguras e naturais. Entre todas as CAM disponíveis, a acupuntura do couro cabeludo tem sido amplamente utilizada para o tratamento do ASD. Na prática comum da acupuntura, as agulhas são inseridas em pontos específicos (pontos de acupuntura) no corpo dos pacientes. Para a acupuntura do couro cabeludo, são selecionados pontos de acupuntura ao longo de diferentes linhas ou zonas do couro cabeludo.

Ensaios controlados sobre o efeito da acupuntura do couro cabeludo e da eletroacupuntura em pacientes com ASD demonstraram melhora significativa na compreensão da linguagem e na capacidade de autocuidado. Apesar das vantagens da terapia com acupuntura em crianças com ASD terem sido demonstradas em estudos anteriores, nenhuma investigação foi feita atualmente sobre como a idade e o tipo de início de ASD influenciam o efeito terapêutico do tratamento com acupuntura.

Assuntos e métodos

Participantes

Pacientes com ASD que consultaram para tratamento com acupuntura na Universidade Batista de Hong Kong Sr. e Sra. Chan Hon Yin Especialista em Medicina Chinesa e Centro de Boas Práticas Clínicas foram convidados a participar do estudo. Os critérios de elegibilidade incluíram crianças de ambos os sexos, com idade entre 2 e 11 anos, com diagnóstico médico atual de ASD por um especialista reconhecido, como pediatra, psiquiatra ou psicólogo. Nenhum critério de exclusão de corte referente à gravidade dos sintomas de ASD foi estabelecido.

crianca 5

 

Terapeuta e tratamento

Ambos os tratamentos de avaliação e acupuntura foram realizados pelo investigador principal (Yau Chuen Heung), que é um praticante experiente em medicina tradicional chinesa, especializado em acupuntura para crianças ASD há 18 anos.

Uma terapia padronizada de acupuntura no couro cabeludo foi aplicada a todos os participantes. Quatorze acupontos foram selecionados com base na teoria da medicina tradicional chinesa ou áreas funcionais do cérebro; incluindo BaiHui (GV20), SiShenChong (EX-NH3), linha mediana da testa, linha lateral 2 da testa, linha lateral posterior do vértex, córtex auditivo primário e área da fala auditiva.

Os participantes foram mantidos e posicionados adequadamente por seus pais. Seus escalpos foram desinfetados com 75% de algodão-bola de algodão, seguidos de inserções subcutâneas de agulhas de 0,20 × 25 mm obliquamente nos pontos de acupuntura, na profundidade de 10 mm entre a camada de aponeurose e a camada de tecido conectivo areolar frouxo. As agulhas eram giradas a cada 15 minutos por três vezes com “método neutro de suplementação e drenagem” antes que todas as agulhas fossem removidas após uma hora. Tratamentos de acupuntura do couro cabeludo foram realizados duas vezes por semana e todo o curso consistiu de 30 sessões de tratamento.

Medição do resultado

Os participantes foram avaliados por um inventário avaliado pelo médico sobre os sintomas relacionados à ASD. Sob a luz do índice de Blatt-Kupperman, nós projetamos um conjunto de escalas de classificação para quantificar os sintomas da ASD. Por meio de uma entrevista semiestruturada com os participantes e seus pais, o terapeuta seria capaz de obter uma nota total de 20, baseada em 5 itens de sub-escala classificados em uma escala de 5 pontos (Tabela 1) que reflita a frequência e intensidade do ASD – relatados sintomas em aspectos do problema social, problema de comunicação verbal, problemas comportamentais, seletividade alimentar e sensibilidade ao ruído. A mensuração do escore foi realizada na 1ª e 30ª sessão de tratamento com acupuntura.Table 1O histórico médico dos participantes e as informações demográficas também foram registrados. Materiais relacionados ao surgimento de ASD, história familiar e pessoal de doenças alérgicas também foram coletados e manipulados. Os participantes que perdem as habilidades de linguagem previamente adquiridas foram categorizados em grupo de regressão, caso contrário, serão incluídos no grupo natal.

O efeito terapêutico da acupuntura no paciente com ASD é avaliado pela taxa efetiva pela seguinte equação: (Tabela 3). A efetividade terapêutica total é então concluída pela categorização dos pacientes em grupos de alta eficácia, efetividade e ineficiência, comparando-se sua taxa efetiva (Tabela 2).

Table 2Table 3

 

Uma melhoria média de um nível em todos os domínios mostraria uma diminuição da pontuação de 20% ou mais, o que consideramos ser uma melhoria notável e indica a alta eficácia do tratamento. Uma melhoria de 5% de menos representa não tem melhora ou só foi benéfica no domínio exclusivo por um nível; portanto, considerado um tratamento ineficaz.

Análise estatística

Análises de dados foram realizadas em todos os respondedores ao tratamento. Um nível alfa de 0,05 foi usado para todos os testes estatísticos. O escore médio e o desvio padrão na 1ª e 30ª seção de tratamento foram analisados ​​pelo teste t pareado. O efeito da acupuntura em pacientes com e sem CET, de diferentes idades, foi avaliado por meio de teste t independente e análises de variância (ANOVAs). Qui-quadrado de Pearson foi usado para mostrar a correlação entre o tipo de início de ASD, história pessoal de transtorno alérgico e história familiar de alergia. Todos os cálculos foram realizados no software IBM SPSS Statistics (Windows, versão 21).

table 4
table 5

Discussão

Na primeira seção, examinamos a sintomatologia de base dos participantes antes do tratamento com acupuntura. Considerando a pontuação de background nos domínios de mensuração, observamos que os problemas de comunicação verbal e os problemas sociais mostraram a maior melhora, enquanto a seletividade de alimentos e a sensibilidade ao ruído mostraram o menor progresso.

A idade é um preditor do resultado do tratamento. Estudos mostraram que pacientes com 5 anos de idade ou mais jovens se beneficiam de um resultado de tratamento mais promissor do tratamento da análise do comportamento aplicado. Até o momento, não houve pesquisas sobre como a idade das crianças afeta o resultado terapêutico da acupuntura para ASD. No entanto, é bem percebido clinicamente que pacientes mais jovens são mais responsivos à acupuntura no couro cabeludo. Nossa investigação reafirma que mais cedo o tratamento começa; melhor o efeito terapêutico pode ser alcançado. Portanto, a intervenção precoce da acupuntura é encorajada para pacientes com ASD, especialmente aqueles com problemas de fala e sociais dominantes. É importante afirmar que, embora o efeito terapêutico diminua com a idade, os pacientes mais velhos ainda se beneficiam da acupuntura.

A acupuntura do couro cabeludo é efetiva com significância estatística no tratamento do autismo nativo e regressivo. Nossa experiência clínica indica que o paciente com ASD natal geralmente se beneficia mais da acupuntura do que das regressões ASD. Nós manipulamos uma série de testes t independentes para investigar como pacientes autistas e regressivos com ASD se manifestam e respondem ao tratamento diferentemente. Apesar de os pacientes com ASD natal mostrarem uma resposta melhor à acupuntura em média, o cálculo não mostra discrepâncias significativas (p> 0,05) entre os dois tipos de início na pontuação pré-tratamento ou alteração na pontuação em todos os itens, exceto problemas de comunicação verbal. A análise revela que o grupo natal apresenta um desempenho significativamente melhor em termos de linguagem do que o grupo regressivo (p = 0,021). Portanto, propomos razoavelmente que, apesar da aquisição bem-sucedida de habilidades de linguagem antes da regressão, não forneça nenhum valor protetor; ajuda a uma re-masterização mais rápida de habilidades aprendidas precedentes ou traz um progresso melhor em tratamentos efetivos ou recuperação.

P1030076

Na segunda parte do estudo, analisamos a relação entre alergia e ASD. Correlação forte entre história atópica familial e materna e CIA foi bem reconhecida. Além disso, Molloy revelou doença autoimune familiar, como doença da tireoide é um fator de risco significante para o início regressivo da ASD. Nossa investigação sugere que as atopias familiares, além das doenças da tireoide, como asma, rinite e eczema, também exibem relações semelhantes. Os indivíduos com uma história familiar de alergias são mais propensos a desenvolver-se em ASD regressiva, em vez de natal.

A razão do início tardio do autismo permanece obscura e ainda não podemos descartar completamente as possibilidades de que fatores ambientais, incluindo a vacinação, como as injeções de sarampo, caxumba e rubéola (MMR), possam contribuir para a ocorrência de ASD regressivo. Por outro lado, observamos clinicamente o status de resposta imune anormal em indivíduos com ASD. É demonstrado como uma resposta vigorosa às picadas de mosquito ou à constipação frequente de frio e febre pelos pacientes. Portanto, é postulado que o sistema imunológico atenuado pode estar envolvido no aparecimento ou na apresentação de ASD.

O mecanismo biológico sob o funcionamento da acupuntura em pacientes com ASD ainda não está claro. Acreditamos que a acupuntura no couro cabeludo pode estimular e ativar a liberação do neurotransmissor e, portanto, ajudar a “religar” as vias defeituosas dos neurônios. Experimentos em modelos de camundongos sugeriram que a estimulação em áreas específicas do couro cabeludo pode aumentar a expressão de uma proteína de densidade pós-sináptica 95 (PSD95) e ativar a óxido nítrico sintase (NOS), resultando na melhoria da capacidade de memória de aprendizado e inteligência, respectivamente. Diferentes áreas e linhas podem ser desenhadas no couro cabeludo como uma projeção de áreas funcionais do cérebro de acordo com a refexologia. Por exemplo, a linha média e a linha lateral 2 da testa são em resposta ao córtex pré-frontal dos lobos frontais; linha lateral posterior do vértex em resposta ao lobo parietal posterior; a área da fala auditiva é em resposta à área de Brodmann 22, etc. A acupuntura nessas áreas foi realizada com o objetivo de estimular a atividade da função cerebral correspondente.

Existem algumas limitações no presente estudo. Primeiramente, 68 pacientes aderiram ao estudo e um tamanho maior de amostra é mais preferível. Em segundo lugar, é desejável obter dados laboratoriais, tais como ressonância magnética funcional (RMF) para detectar qualquer alteração na função cerebral durante o curso do tratamento com acupuntura.

crianca 3

Conclusão

As manifestações de ASD de alguns aspectos, como comunicação verbal, problemas sociais e comportamentais, obtiveram uma melhora altamente significativa na introdução da acupuntura; enquanto domínios de seletividade alimentar e sensibilidade auditiva se beneficiam menos no processo. A idade e o tipo de início são preditores para o efeito terapêutico da acupuntura. Esperaremos um melhor efeito terapêutico em crianças com ASD com início na infância, com uma idade menor de dois anos. Portanto, a intervenção precoce é sempre incentivada para crianças com ASD. Devido às discrepâncias entre o efeito da acupuntura no ASD de início nativo e regressivo, postulamos desvio na etiologia ou nos mecanismos entre os dois tipos de início. Nosso resultado mostra a correlação entre a história familiar de atopia e o tipo de início coesa com a nossa hipótese, indicando a diferença na natureza da ASD natal e regressiva. No entanto, é necessário muito mais esforço para revelar os mecanismos subjacentes ao autismo.

Apesar do rápido desenvolvimento da ciência moderna, a taxa de incidência de ASD não mostra sinais de declínio e continua a ser uma doença incurável. Somente se pudéssemos revelar fatores ou incidências que causariam ou induziriam o surgimento do ASD, ou seja, o ASD regressivo, medidas preventivas ou tratamentos efetivos poderiam ser aplicados. Embora o mecanismo da ASD permaneça instável, devemos permanecer céticos quanto ao uso de manipulações médicas, como a vacinação de bebês e crianças pequenas.